Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2018

#babyaboard: viagens de longo curso com bebés

Crónica de 12 / 01 / 2015

A nossa primeira viagem de longo curso com a Clara foi de Lisboa a Maputo, e durou 11 horas. 

Surpreendentemente passou rápido :)
Deixo aqui várias dicas, sugestões e aprendizagens desta viagem:
PASSAGEM: viajámos na TAP. E pedimos, assim que comprámos o bilhete, lugares para berço. Os lugares para berço dão até 11 kg e mesmo que o vosso tenha 12 ou mesmo 15,  MINTAM!  é importante viajar com um bebé neste local porque garante que há espaço! Nestes berços só cabem recém-nascidos mas ficam com o espaço de chão para brincar  :) 
ATENÇAO, a reserva de um lugar não o garante. O check-in abre 72 horas antes e sugiro que o façam logo para garantir que não viajam com o bebé ao colo…  
VOO: a minha boneca já não está habituada a dormir ao colo e costuma dormir no escuro. Num avião, ainda por cima não cabendo no berço, esta parte correu mal…  Tentei adormecê-la no chão, onde a vêem a brincar na foto acima, mas disseram que não era permitido então o que conseguiu dormir foi ao colo. No regresso pretendo enganá-los e pô-la a dormir no chão!

No resto do tempo, brincámos no chão e caminhamos vários km para trás e para a frente :) 
CONSULTA DO VIAJANTE: existe uma consulta do viajante de pediatria em vários hospitais. Nós fomos, mas confesso que discordei de tudo o que a médica disse.
Algo que é importante adiantar é que eu acho que o bom senso e a informação prevalecem sobre o estatuto de médico. 
E, portanto, quando a médica me recomenda fazer duas vezes as vacinas dos 12 meses e fazer a prevenção da malária, eu disse que não a ambas.  As razões não me vou alongar aqui mas basicamente fui-me informar e ambas as recomendações não faziam sentido. Esta é também a minha recomendação: informem-se e decidam o que acharem melhor! 
Relaivamente à malária, adianto apenas que a única prevenção possível é comportamental: redes mosquiteiras e repelente!
COMIDA: dependendo da duração da vossa viagem, a comida pode ou não ser toda levada de casa. Eu levei tudo de casa quando fomos uma semana para Formentera. Compro na bebé gourmet comida biológica congelada, envio por geleira no porão ou, em viagens mais longas como esta, numa pequena lancheira a bordo. No avião eles guardam no frigorífico e aquecem. Nos hotéis idem. Nas alfândegas deixam passar tudo o que for para bebé, ÁGUA INCLUSIVE.
Para o resto dos dias, trouxe os básicos (bolachas, leite e papa) pretendo cozinhar com o que hei-de encontrar cá, ressalvando a água (descrevo mais abaixo alguns cuidados relativamente à água) 
FARMÁCIA: a única dica que usei da consulta de viajante foi a de farmácia: trouxe uma pequena grande farmácia para a Clara. Antibiótico, probiotico, soro, aspirador nasal, benuron, anro-diarreico, são alguns dos meus amigos de viagem :) 
CREMES: testem todos os cremes antes de sair por causa das alergias de pele (protectores, repelentes, pós-solar, etc) Mas lembrem-se também que a maior parte das marcas mundiais se vendem em praticamente todos os países do mundo.
MALA: tão importante como a roupa, considerei os brinquedos. A verdade é que existem uma série de situações em que o bebé vai estar verdadeiramente à nora e os itens familiares fazem a ponte. No avião, na casa nova, para dormir, etc os amigos do costume, mesmo que não lhes ligue nenhuma, fazem a ligação a casa.
TEMPERATURA: mais que o frio, o calor condiciona as actividades: pode-se acrescentar uma peça de roupa mas não se pode tirar a pele :) Viajando para países tropicais, não pensem em dias desterrados na praia ao sol. Pensem em actividades para fazer à sombra com os bebés. Mais uma vez aqui ajuda ter os brinquedos de casa, mesmo que depois se entretenham só com troncos e pedras :p
Aqui é importante falar do ar condicionado: o pior inimigo das férias! Está muito calor e queremos desesperadamente arrefecer os nossos bebés. Mas a diferença térmica pode ser a pior inimiga deles…
ÁGUA: a água pode ser uma parte lixada das viagens porque não serve só para beber – essa parte contorna-se facilmente – mas serve também para lavar biberões, dar banho, lavar roupa, etc
Relativamente à água, acho que todos os cuidados são poucos porque nos países tropicais existem muitas doenças provenientes da água. Perguntem de onde vem a água da torneira. Lavem e fervam os biberões com água engarrafada se se sentirem melhor. 
DESENRASQUE: esse termo tão português Eheheh eu acredito em não stressar em caso de necessidade. Alguma alergia de pele ao calor? Perguntem se existe aloé Vera ou outra planta local. O vosso bebé não bebe toda a água que devia? Perguntem se há água de côco. 
Vamos cá ficar uns tempos pelo que acredito que outras ideias virão. E certamente me aperceberei de outros erros que cometi. 
Mas para já, sabe simplesmente muito bem estar na praia a ouvir as ondas com a minha garota de Ipanema :)

Mais Crónicas:

-->