Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2018

Então, não queres trabalhar?

Crónica de 09 / 03 / 2015

Desde que deixei de trabalhar, e já lá vão uns meses, algumas (boas) amigas já me reencaminharam vagas de trabalho.

Vá, 3.

E confesso que mais estranho que ter dito que não estava interessada, é contar a outras pessoas que recusei sequer enviar CV e todas me olham com aquela cara: “Então, não queres trabalhar?”

A última vez foi quase uma cena de engate. O convite era para ser sócia de uma empresa. Vencer, vencer, facturar! Respondo: “Não estou interessada a não ser que possa continuar a ser mãe a tempo inteiro.”

Sabem quando éramos mais novos (ou não..) e não havia nada mais interessante que uma tampa? Pronto, tenho reunião amanhã com a CEO do grupo com quem não quero trabalhar a não ser que possa ser mãe a tempo inteiro.

Mas então, não quero trabalhar?

Já dizia o Agostinho da Silva que há muita arte e técnica em não trabalhar! Sim, porque trabalhar, muitas vezes, não passa de cumprir um horário, passar uma vida frustrada no meio do trânsito, não ter tempo para nada, e chegar a casa e ver TV porque se está muito cansado e assim consegue-se não pensar na vida.

Além disso pergunto-me: QUE HÁ DE ERRADO EM GOSTAR DE SER MÃE? Esta não era afinal uma sociedade livre, onde cada um pode fazer o que o fizer feliz? Afinal temos de gostar todos de amarelo?

Eu gosto de ser mãe. Gosto de ser mãe a tempo inteiro. E toda a gente me diz: “ah mas vais deixar de gostar daqui a uns tempos, vais querer voltar a trabalhar.”

Demorei um ano a estar bem em casa e comigo.
Demorei uma vida a achar que não temos de estar sempre a correr para uma vida formatada.

Então?

Então não quero trabalhar, não. Não naquilo a que chamam trabalho.

Mas obrigada! (eu armada em “gaja boa”, mas do trabalho)

Mais Crónicas:

-->