Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

A vida à velocidade da criançada: o sono das crianças

Crónica de 12 / 05 / 2015

Hoje ia escrever sobre  a velocidade da vida das crianças. Versus a nossa.

Somos mães a partir do momento que estamos grávidas. Mas isso é só para nos enganar: quando estamos grávidas podemos controlar tudo. Tudo é ao nosso tempo. Somos mães e realizadores do filme ao mesmo tempo. Uma maravilha. Uma maravilhosa ilusão.

A realidade impõe-se na primeira contracção: “Qué esta merda?????!! Dooooooooi!! Pára tudo!” Pronto, caímos na realidade.

Daí para a frente é uma atrás da outra: a desmistificação da maternidade.

2 grandes chavões se destacam: a amamentação e o sono dos bebés: “estiveram a gozar comigo o tempo todo não?!” Pois, por alguma razão que até hoje me escapa, ninguém fala sobre isso. Ou o que diz é mentira, o que vai dar ao mesmo.

Já falei sobre a amamentação. Falo agora sobre o sono: e confesso que já ia dando em maluca!

Não dei porquê? Porque um dia decidi decidir (sim, os malucos decidem decidir) que o tempo da minha filha era elástico: ela vive numa vida, numa bolha, fora do mundo. Para ela – e por ela  – o tempo é infinito. Ela é dona do tempo.  Sem que isso interfira com a agenda do mundo.

Confesso: ia dando em maluca várias vezes. Porque quando a Clara nasceu eu tinha muita falta do meu tempo. (Lá está, ninguém nos conta que vamos ficar sem tempo…ou conta e não percebemos…). Tinha ficado sem o meu tempo que sempre tinha tido para mim até ali (a redundância é propositada).

“Mas porque é que ela não adormece? Tenho de fazer o jantar! Tenho de… tenho de aquilo….”

Já disse não já? Ia dando em maluca! Às vezes até acho que dei.

Mas um dia decidi decidir (também já disse isto não já? enfim…) que o tempo dela era elástico. Era infinito. Era o buraco do coelho da Alice no País das Maravilhas. Ela tinha direito a todo o tempo do mundo. À velocidade que quisesse.

Não queres dormir? Deito-me ao teu lado e dormimos juntas.

Não tenho tempo para fazer o jantar? Comemos sobras.

Não tenho tempo de escrever uma crónica? Escrevo à meia noite.

Mas comecei por vos dizer que “hoje pensei em escrever esta crónica”. Pensei. Antes de ter demorado 1 hora a adormecer a Clara. E ter de ter voltado 3 vezes à cama antes de eu poder jantar. A pensar “ainda tenho de jantar. Fazer a mala. Escrever uma crónica. Doooooormeeeeee, por favor………”…. …. ….

(respira, respira. Alinha o tico e o teco. Alinha a alma)

“Deixa estar bebé. A mamã está aqui. Demora o tempo que precisares”

Portanto agora, às 23 PM, acabei de jantar. E de escrever a crónica. Se me dão licença vou fazer a mala para a viagem de amanhã. Mas muito feliz. Porque o tempo da minha filha é infinito e finalmente percebo isso. E porque o jantar era sushi e exigia um vinho branco.
partilhar_e_comentar

Mais Crónicas:

-->