Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2018

Afinal quem sou eu?

Crónica de 13 / 07 / 2015

De vez em quando, em conversa, alguém confessa: Desculpe, mas não sabemos quem é, apenas que é “a das crónicas”…

Que falta de educação a minha… Então aqui fica a minha apresentação:

  1. Eu chamo-me Patricia
    1. Estudei Psicologia e Política Económica porque queria mudar o mundo.
    2. Trabalhei mais de 10 anos em ajuda humanitária. Entre outros, fui directora de um hospital no meio do mato e directora de uma ONG muçulmana de luta contra a Sida. E aprendi que até no trabalho se podem ter de engolir muitas lágrimas.
    3. Percebi que o mundo não pode ser mudado então mudei eu de área.
    4. Fui trabalhar para algo que também adoro: eventos.
    5. Adoro eventos porque sempre fui muito boémia. E noctívaga. E basicamente adepta de tudo o que acontece depois da meia noite. Antes de ser mãe, pelo menos, porque agora raramente oiço as 12 badaladas.
    6. Gosto de animais domésticos mas não tenho nenhum. Tive, uma vez, um cão 3 dias e 1 gato 3 meses. A minha filha é o primeiro ser vivo que depende de mim, que sobrevive e ainda é feliz. E gorda.
    7. O mesmo se aplica a plantas. Adoro-as. Especialmente se não precisar de as regar.
    8. Não gosto de cozinhar a não ser para amigos, com um copo de vinho na mão. Mas também me recuso a comer “comida de plástico”. Digamos que adopto uma alimentação “híbrida”…
    9. Adoro viajar em todo e qualquer formato: hotéis de 5 estrelas ou parques de campismo. Haja um copo de vinho. Ou dois.
    10. Falo alto. Especialmente quando falo ao telefone já que as pessoas que estão a 2 km de distancia costumam vir depois discutir comigo os temas dos meus telefonemas.
    11. Sou uma eterna gorda: eternamente com peso a mais, eternamente em dieta. Eventualmente a alimentação híbrida carrega no que sabe bem. E engorda bem também.
    12. Gosto de praticar desporto. Estranho é não emagrecer.
    13. Odeio acordar cedo. Se me dissessem há uns anos que eu ia acordar diariamente as 7 AM eu juraria a pés juntos que era impossível. E até apostava um mindinho ou dois nisso.
    14. Trabalhei a gravidez toda e cheguei a ser considerada a mulher “menos grávida do mundo”.
    15. Sou lamechas e melosa apesar de muita gente me achar apenas um calhau. Não a minha filha que chega ao final do dia carregada de baba. A minha, dos triliões de beijos que dou por dia.
    16. Sempre achei que por amor não deixamos de fazer as coisas. As coisas é que acontecem por amor.
      18. Não escolhi ser mãe a tempo inteiro. Planeava, aliás, continuar a trabalhar como empresária destemida.  Mas a vida dá voltas que não planeamos. E o que parece azar um dia, pode ser sorte noutro: tive o azar de perder a empresa, a sorte de poder acompanhar a minha filha a crescer.
    17. Comecei a escrever as “crónicas da maternidade” porque quando a Clara nasceu, eu estava habituada a estar sempre agarrada ao smartphone. E o meu cérebro habituado a estar sempre ligado. Longe vão os tempos do cérebro.
    18. Eu chamo-me Patricia. Mas, hoje em dia, dizer que sou mãe da Clara é mais que suficiente para me definir.

Mais Crónicas:

-->