Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Matemática do amor de mãe

Crónica de 10 / 08 / 2015

“Tu faz-te à vida, rapariga, que qualquer dia ela cresce e nem te agradece!”

Tenho ouvido várias vezes. Nunca respondi. Não porque não quisesse. A questão é que a resposta ainda não estava bem formada na minha cabeça.

Acima de tudo, acho que nunca me achei um caso grave. Quer dizer, o meu bigode não enrola nas pontas, penteio-me praticamente todos os dias, vou correr e, apesar de ter deixado de sair à noite, continuo a gostar muito de estar com os amigos e beber uns copos.

Ok, estou sempre com a minha filha e nunca, a não ser quando fui obrigada pelo médico que me tirou o apêndice, fiquei longe dela mais que 24 horas.

Mas não me vejo como um caso irreparável.

Até que de repente me bateu: existe alguma matemática do amor para se fazer contas a quanto amor é demais?

– O número de beijos que se trocam entre 2 pessoas que se amam é importante?
– Mas não será um estalo suficiente para arruinar um número infinito de beijos?
– Acho que sim, que se um cozinha sempre e o outro não, se pode achar que a conta dá resultado negativo.
– Mas não poderá o outro acrescentar outra variável à equação? Será igualmente mensurável?
– Devemos contar abraços, beijos, jogos e brincadeiras que fazemos com os nossos filhos?
– E as pessoas mais recatadas?
– Quantas noites temos de deixar um filho sozinho para sermos independentes?

A próxima pessoa que me fizer a pergunta vai ouvir uma resposta. Porque agora eu tenho-a.

Obviamente será sempre mais fácil fazer prognósticos depois do jogo. E se, na velhice, eu ficar sozinha e abandonada, vão achar que me entreguei demais, enquanto que se estiver acompanhada, feliz, e ainda sem o bigode a enrolar nas pontas, vão dizer que não me esqueci de mim.

Mas querem saber o que eu tenho a dizer sobre isto? Tenho a dizer que não contei comigo para fazer contas de merceeiro ao amor que dou à minha filha. Até porque na mercearia o infinito não é um número muito útil.

Mais Crónicas:

-->