Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Aceitação

Crónica de 09 / 05 / 2016

Qualquer pessoa que já tenha navegado no nível 1 da espiritualidade deparou-se com o termo: aceitação.

Para quem não navegou, não se preocupe: não é ser a/o banana que diz “tasse bem!” a tudo, mas sim aceitar que, por exemplo, se o teu filho partiu o teu bibelot preferido não é porque a tua vida é uma merda e nada tem significado mas sim, e apenas, porque o teu filho o partiu…

Voltemos à questão da aceitação: para mim, é difícil para caraças.

É-me difícil olhar-me ao espelho e ver-me sempre sem maquilhagem, o que me obriga a ver as minhas olheiras e o meu ar muito mais acabado do que via há 2 anos.

E não é fácil ver o desconforto de quem me conhece ao saber que, para fazer dinheiro, vendo as minhas roupas em segunda mão. Ou cremes da não sei quantas ou o que for preciso.

É-me difícil saber que, hoje em dia, não desanuvio num cabeleireiro ou restaurante mas sim, muitas vezes, entre a loiça da máquina de lavar e a do fogão.

É-me ainda mais difícil aceitar que passei de empresária a desempregada. E que não será fácil traçar um caminho a partir daqui.

O que é que é fácil? ter a certeza que estou no caminho de me aceitar a mim, como sou hoje em dia.

E quem sou eu hoje em dia?

Sou uma mulher que quer ser mãe. Sem ter de beijar o rabo a um qualquer chefe que me pague para chegar a casa às 8 da noite e passar o dia com os pés inchados nuns sapatos minúsculos.

Porque há algo que eu já aceitei muito bem: nunca mais fugirei de quem eu sou (mas fugirei a 7 pés de pés inchados!)

Mais Crónicas:

-->