Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Querem saber do que eu tinha meeeesmooo saudades?

Crónica de 20 / 10 / 2016

Digo-vos já: era de deambular pelas lojas.

"AI, credo, que fútil!" dirão algumas.

Pois digam à vontade minhas queridas. Que eu, de zen, já tenho uma vida em cima.

3 anos a passear na praia, nos jardins, a brincar com pauzinhos e pedrinhas. Por opção, porque não acredito que são os brinquedos que estimulam a curiosidade das crianças e por falta de dinheiro, pois está claro.

3 anos sem ir a centros comerciais nem para ir comprar pão. Porque não acho nada saudável passear com uma criança num ambiente tão cheio de luz artificial, e num ambiente que só apela ao consumo. Além de que eu não tinha um tostão, pois está claro.

3 anos a correr na praia, no campo, no rio e na floresta.

3 anos a encontrar o pai do Gandhi dentro de mim (ah sim, nem o Gandhi aguenta birras de crianças!) para tentar ser a mais pedagógica do mundo, enquanto à minha volta alguém se ia familiarizando com o mundo das birras.

Sim, meus amores. Eu quero a vida fútil.

Quero deambular sem pensar se alguém vai cair e partir-se toda, ou partir algo que não nos pertence.

Quero ver cores e estímulos sem pensar se são pedagógicos.

Quero desarrumar roupa sem pensar em quem a vai arrumar.

Quero ver cotão e migalhas no chão sem pensar que será a décima vez que vou apanhar migalhas nesse dia.

Quero ver roupa. Quero armar-me em barbie gorda. Quero brincar sem ter de ensinar nada.

Sim, eu tinha mesmo saudades era de poder ser fútil.

Mas para quem está preocupado não esteja: deixo o mundo zen todo à vossa disposição.

Mais Crónicas:

-->