Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Portugal dos Pequeninos

Crónica de 26 / 10 / 2016

No Portugal dos Pequeninos as pessoas estacionam nos lugares para pessoas com deficiências. Porque acham que a sua deficiência (mental, pois está claro) é superior ao sinal que o proíbe de estacionar lá.

No Portugal dos Pequeninos os centros comerciais são maiores que os hospitais. Porque, havendo saúde, deve gastar-se o dinheiro é em bens absolutamente desnecessários.

No Portugal dos Pequeninos as pessoas não dão a vez às pessoas mais velhas nem às grávidas nas filas de nada. Porque, cada um só está na situação onde se meteu e estas são pessoas absolutamente superiores a essas efemérides da vida.

No Portugal dos Pequeninos construíram-se estradas, auto-estradas e muitas rotundas. Porque parques infantis e creches para os pais que têm de trabalhar o dia todo fora são coisas dos países nórdicos, aqueles que têm as taxas mais altas de desenvolvimento, sabem?

No Portugal dos Pequeninos, as pessoas gritam impropérios à frente de crianças, jovens e quem quer que seja se alguém lhes pede que tirem o carro no meio da estrada. Ora se no meio está a virtude, estas pessoas são acima de tudo virtuosos, certo?!

No Portugal dos Pequeninos, tal como o ar, as rotundas, cruzamentos e estradas são de todos. Por isso, podem ser ocupadas por todos e a qualquer hora. Precisamos de uma rotunda como de ar para respirar, certo?!

No Portugal dos Pequeninos, se existe quem limpe o chão, então o lixo é para deitar para o chão. Agora cá ser limpo e usar o caixote como aquelas pessoas lá dos países desenvolvidos!

No Portugal dos Pequeninos o tempo de antena é para quem mata, esfaqueia ou só chegou ao estrelato via coisa nenhuma. Porque falar de ciência, educação ou cultura é coisa que não dá audiências... não no Portugal dos pequeninos pelo menos.

No Portugal dos Pequeninos os pais são os únicos que podem transformar Portugal. Através dos seus pequeninos. Os únicos que um dia podem vir a ser grandes.

Mais Crónicas:

-->