Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Uma mensagem para o eu no pós-parto

Crónica de 25 / 11 / 2016

"A Patricia sentiu-se muito sozinha." disse-me a Maya no programa da manhã.

Não chorei. Não podia! Mas tive vontade...

Senti-me muito sozinha sim, não por culpa de ninguém mas porque, acho hoje a esta distância, o pós-parto é um sítio muito solitário.

Pensei então em escrever esta carta ao meu eu passado, quem sabe, a um eu futuro:

Patrícia, o momento do parto, aquele momento porque esperaste tanto, tu e todos, vai ser estranho.

Mas gostava de te dizer para ficares tranquila, para não pensares muito nisso, nem sentires falta de cursos ou livros para te assegurarem: serás boa mãe se ouvires os teus instintos, confia em ti, isso chega.

Estranho porque aquele novo ser é-te familiar mas desconhecido, ao mesmo tempo, e porque ser mãe não acontece ao toque de uma varinha mágica ou um corte de bisturi.

Gostava de te dizer que não te preocupes. Porque vais amá-lo como nunca amaste ninguém e esse primeiro toque, esse primeiro colo, é só o primeiro momento com alguém que te dará os melhores momentos da tua vida.

Nos primeiros dias não vais sequer conseguir dormir, e estarás sozinha, acordada, no escuro, sempre, porque o teu bebé acorda ou porque tu não sabes se ouviste algo. E vais sentir, aqui, os primeiros sintomas da solidão que se avizinha.

O teu bebé vai tornar-se familiar, bem como o cansaço e as noites. Tens esperança que as coisas normalizem depressa. Ainda achas que tudo pode voltar a ser como era. Não volta.

Mas gostava de te dizer que apenas vão melhorar, mesmo que piorem primeiro. E que não deves negar as tuas lágrimas, nem justifica-las. Deves chorar. Chora muito e chora sempre que quiseres. Choras porque és mãe. Choramos todas! Não tenhas vergonha de aceitar essa, uma das principais diferenças que vais sentir: passares a ser sensível a tudo. Aceita isso. Pois é isso que protege o teu bebé de perigos: tu estares sensível.

Vais ficar muito cansada, pois as noites em claro irão suceder a noites em claro. Vais chorar por tudo e por nada. Vais perceber que amamentar não é sempre fácil, às vezes, até é bastante difícil. Podes sentir-te culpada, má mãe e bastante desgostosa por isso.

Mas gostava de te dizer algo: a única coisa que o teu bebé quer é o teu colo. O teu calor. O teu cheiro. Tu és tudo no mundo dele. E nunca lhe falharás se lhe deres algo tão simples quanto o teu calor humano. O teu amor.

Com o tempo, vais cruzar-te de repente com um espelho e não vais gostar muito. As noites mal dormidas, o não puderes sair de casa, o teu bebé, vão ocupar 110% de ti. Mas de repente lembraste que existes, quando olhas ao espelho e tens a roupa de há 3 dias, cabelo despenteado, olheiras até ao infinito...

Gostava de te dizer para descansares muito e não tentares ser perfeita. Não penses no jantar ou na roupa ou no pó. Mas pensa em ti. E tu precisas descansar. Porque tudo o resto pode esperar. O teu bem-estar não. É importante para ti, é crucial para o teu bebé.

Durante todo este tempo, vais te aperceber que todos têm uma opinião a dar, algo a dizer sobre a forma como fazes tudo.

Deixa-me dizer-te que se consegues ignorar, perfeito. Se não consegues, diz que agradeces mas não pediste opinião. As pessoas não sabem que tens mil vozes na tua cabeça, não precisas de mais uma. E exactamente porque não sabem, deves dizer. Estás quase, quase a aperceber-te que tu mandas no destino de alguém. E que isso te trouxe uma responsabilidade que já não permite aceitar só porque sim, o que quer que seja. Confia em ti, diz tudo o que tiveres a dizer.

Vais ter muita falta de colo. Agora o colo não é para ti. Vais querer mimo e atenção. Mas, talvez, porque estás apenas "em casa" ninguém o vai perceber. O que mais te vai afundar na solidão.

Gostava de te dizer para não te sentires sozinha, tens ao teu lado aquela que será a tua melhor companhia para o resto da tua vida. Mas gostava também de te dizer que não te deves isolar: pede colo, pede mimo, pede tudo o que precisares!

Porque, e se não te puder dizer mais nada deixa-me dizer-te isto, tudo o que estás a sentir é normal. Tudo o que estás a sentir faz parte de ti. De seres mãe. Não tenhas vergonha. Tem orgulho. Ser mãe é um dom. E tu, com altos e baixos, momentos fáceis e difíceis, vais ser a melhor mãe do mundo. Pelo menos para uma pessoa: o teu bebé. E não é isso que importa?

Mais Crónicas:

-->