Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Sobre deixar 2016. E chegar mais longe.

Crónica de 31 / 12 / 2016

Deixar Portugal.
Deixar a Europa.
Deixar 2016.

Aterrar em África.
Na humidade. Na roupa colada à pele. No cheiro a terra.

Para mim, não há nada como viajar para nos relembrar que somos poucachinhos, lá, naquele sítio a que chamamos mundo.

Tem chovido muito. E fazemos uma travessia de barco com mulheres que carregam às costas barris de algo - carme, peixe, água? algo pesado! - e fazemos depois 15 km numa estrada quem tem mais altos e baixos que a pele de um adolescente.
Cheia de água.
Cheia de impossibilidade de qualquer outra pessoa sobreviver se não alguém que já esteja habituado a esta vida.

Não, África não é só palmeiras e cervejas ao por-do-sol.
Não, estas mulheres, mães, donas de casa, trabalhadoras, não têm uma vida que faça inveja.

Estas mulheres saem de casa ainda de noite, andam quilômetros para ir buscar agua. Outros tantos para vender algo que cultivaram.

Os filhos? Às costas. Ao lado dos barris de algo que carregam.

Pedem boleia para não andar 15 km na lama. E vimos de carro cheio. De mães. Mulheres. De desejos para 2017. De alma já tão cheia e tão vazia que o suor certamente liberta dúvidas e não água.

Chegamos. Chegámos hoje mas talvez já tenha sido há uma vida.

Já fomos guardar os cabritos. Sabiam que basta ter um amarrado a uma corda que os outros o seguem?

Já fomos apanhar ovos às galinhas. Nunca vou gostar do cheiro a cocó de animais.

Já fomos à praia.

Já nadámos na piscina que a avó encheu.

Já começámos a lavar a alma. Pelo menos eu.

Nos espaços que já consigo ouvir o silêncio. E ser inundada pelas ondas do mar e pássaros vários.

Quando tudo para. Apesar de nada se passar. Oiço o mundo. E percebo que está na hora de me ouvir a mim.

Acham que é fácil? Não é.

Ajuda ver uma criança à minha volta, toda nua, pintada já de vermelho e amarelo. Com um cão à volta. Parecendo que cresceram juntos. A apanhar ovos. Cheirar cocó de galinhas. Apanhar cabritos.

E a inspirar mundo. E a expirar amor.

Bom 2017 a todos <3

Mais Crónicas:

-->