Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Menina e Moça

Crónica de 09 / 01 / 2017

É maravilhoso ter um bebé.

É difícil ter uma criança.

Passado todo o namoro, toda a roupa cuxi-cuxi, a taquicárdia de tanto amor, há um dia que o nosso bebé deixa de o ser. Para seguir o seu caminho e, no meu caso, transformar-se numa menina.

Tem sido duro, confesso. Tem sido duro ver-te crescer.

Vais fazer agora 3 anos.

E, pela primeira vez, observo o processo de te tornares independente.

Calma, não és a maior das independentes. Não gostas de te calçar sozinha, nem sequer de tentar. Não gostas de ir ao WC sozinha e choras para que vá contigo.

Mas o processo de independência emocional começou.

E eu vejo, em todas as tuas birras isso mesmo: um ser humano a crescer para deixar de ser bebé. Com todo o medo que a vida de crescidos dá.

Esticas os braços para me abraçar. E ao mesmo tempo estica-los para me afastar.

Choras porque não estou perto de ti. Mas já não precisas de mim para fazer as tuas escolhas.

Queres a escola para ter amigos. Mas não queres a escola porque te percebes a receber menos atenção.

Queres colo e beijinhos. Mas apenas sabe-los lá, sem precisar de os receber.

Queres crescer e descobrir-te. Sem nunca deixar de ser a bebé da tua mamã.

E eu?

Eu sofro.

Sofro de braços abertos, para te receberem sempre. Mas nunca deixarem de te deixar ir.

Sofro porque precisas de me desobedecer mas eu preciso de te dizer que não.

Sofro porque ser mãe é também ser uma parede, a que tu queres virar costas para seguir em frente.

E sofro porque ser essa parede tem de significar que nunca deixei de ser colo sempre pronto para quando quiseres voltar.

Sofro porque não és mais minha. Mas serás para sempre a minha pequena bebé.

Sofro porque sou mãe. E só vale a pena por ser a tua mãe.

Mais Crónicas:

-->