Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Foste atropelada pela vida?

Crónica de 23 / 01 / 2017

Foste atropelada pela vida depois de ser mãe?

Horas e dias sem dormir que ninguém queria saber quando chegavas ao trabalho?

Vontade de chorar que ninguém entendia?

Falta de vontade de sexo, desejando que o outro durma primeiro, falta de carinho, desejando que alguém te passe a mão pelo pêlo?

Cabelos brancos que não tens tempo de pintar? Olheiras que bem querias disfarçar?

Saudades de comer no sofá? No restaurante com as amigas? De ter dinheiro para o restaurante com as amigas?

Foste atropelada pela roupa que tens de lavar e passar, a quantidade de panelas e comida que fazes ja automaticamente?

Atropelada pelo crescimento dos teus filhos? A quem gritas mais do que gostavas? A quem, por cansaço, pedes desculpa de brincar menos do que querias?

Atropelada por uns quilos a mais, que achas que justificam a falta de carinho que recebes, mas nao chegam para apagar as lágrimas dentro de ti, também essas atropeladas pelas tuas tarefas?

Deixa-me dizer-te algo: quem nos atropela é o nosso próprio medo.

Medo de nao sermos mães perfeitas. Mulheres exemplares. Profissionais sem igual.

Medo. Fomos atropeladas pelo nosso próprio medo. Fomos atropeladas por nós proprias.

Por isso, na próxima vez que sentires falta de algo, grita ao mundo.

A próxima vez que quiseres ficar no sofá, fica.

A próxima vez que fores injusta com os teus filhos, pede desculpa.

A próxima vez que o medo e a culpa te tentarem atropelar, acelera a fundo. Não te deixes atropelar.

Porque quem faz o melhor que pode não deve ter medo.

Quem faz tudo e um par de botas, desde o guizado às meias cosidas aos beijos e histórias de boa noite merece um abraco.

E merece tambem não o fazer se nao lhe apetecer.

Estás a dar o teu melhor não estás? Então porque não havias de merecer o melhor dos outros?!

A próxima vez que sentires a vida a atropelar-te, atropela tu. Esse pensamento.

E lembra-te de quanto te esforças para andar rápido mas a uma velocidade segura.

Para amar e lutar e ser mãe e ser tudo.

Lembra-te que quem conduz és tu. E tu não atropelas pessoas.

So a ti própria, quando te distrais... mas isso vai mudar!

Foca-te <3

Mais Crónicas:

-->