Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

O medo comanda a vida

Crónica de 07 / 02 / 2017

Depois de apanhar um grande susto com a minha filha, chega a hora da vida voltar ao normal.

Eu, optimista em exagero por defeito, tenho evitado pensar muito no que aconteceu.

Claro que isso sou eu: à minha volta levantam-se várias vozes. Algumas com a certeza que, no meu lugar, não conseguiriam voltar ao lugar onde tudo aconteceu.

Quando paro para, obrigada, pensar nisso, sei que obviamente a primeira noite vai custar: e se volta a acontecer algo durante a noite? Durante a noite não consigo chegar a um hospital no mesmo tempo!

Certamente, quando voltarmos a nossa casa aqui desterrada na Praia, aguarda-me uma bela de uma noite em branco.

A questão é... então e depois? E a segunda noite? E as aranhas? Cobras? Eu própria? Se me dá a mim o badagaio?!

O problema de ter medo é que o medo passa a comandar a vida. Se for o medo a gerir o pensamento, então será o medo a avaliar o mundo.

O problema é que o medo tende a só ver o mundo em tons de cinza: acaba sempre tudo da mesma maneira.

Procuro então pensar: na ausência de medo, como pensaria eu agora?

O que acredito é que o medo condiciona a palette de cores com que vemos o mundo. E sendo que o cinza é uma cor que pode e deve viver com as outras, a questão é ter a certeza que mostramos as crianças todas as cores que existem no mundo.

Se uma criança cai de um baloiço, merece voltar a andar. E até mesmo a cair.

Se uma criança dá uma cabeçada numa porta, merece continuar a ver a porta como uma porta. Em vez de um bicho papão.

O que elas não merecem é que o susto que nós passámos reduza as cores com que veem o mundo.

Difícil? Sim.
Lixado? Para caraças.
Porquê? Porque o arco-íris tem 7 cores.

E ninguém deve privar uma criança de ver um arco-íris.

Mais Crónicas:

-->