Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

"Eu quero duas pessoas!" Ou desabafos de uma filha de pais separados

Crónica de 03 / 03 / 2017

Separamo-nos quando a Clara ainda não tinha dois anos. Para o bem e para o mal, a transição foi fácil, ou menos difícil, com uma estranheza, principalmente, da casa, do espaço e posteriormente das pessoas.

Mantivemos sempre uma relação cordial e a Clara nunca teve de assistir a episódios lamentaveis e pode, inclusivamente, estar com ambos os pais regularmente.

Com o tempo, e o continuar da vida, optámos por estar menos tempo a 3 para que pudéssemos ser um mais clássico casal separado.

Recentemente a Clara tem reagido. Como não reagiu durante um ano e meio "eu quero duas pessoas!" diz ela quando percebe que ou está com um ou está com o outro.

Partiu-me o coração. Toda a vida achei que ter uma separação amigável não tem de ser ficar amigo. Quer dizer, não te dás mal, não achas nem dizes mal, mas não tens exactamente de socializar. Depois fui mãe...

E só consigo pensar que tudo o que originou um filho, tudo o que levou a acreditar que formariam uma família, tudo o que um dia achaste que aquela pessoa tinha de bom, não pode desaparecer. Mesmo que a ti te apetecesse desaparecer deste cenário.

Sou mulher, sou mãe. O dialogo faz parte de mim. O dialogo faz parte de mim mesmo quando para isso tenho de fazer das tripas coração.

Mas afinal, a minha filha tem razão: ela tem dois pais, porque não pode, pelo menos durante meia hora, ter os dois?

"A mamã e o papá já não são namorados" disse, procurando encontrar nas minhas palavras a segurança que queria que ela sentisse no seu pequeno coração mas somos amigos. Por isso se queres, podemos ir passear um pouco os três.

Liguei ao pai da Clara. Precisamos falar, acho que está a precisar saber que tem duas pessoas na vida dela, e que não tem de as ter sempre à vez.

Fala-se muito de como é a separação ideal.Ela não existe. Porque as pessoas não são iguais.

Mas ela pode ser construida. Diariamente. Conforme for sendo necessário ajustar daqui e dali.

Em nome apenas de uma coisa: dos filhos.

Porque nao é por eles que um casal deve ficar junto como casal. Mas por eles estará sempre junto. Num objectivo comum da sua felicidade.

Mais Crónicas:

-->