Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

A vida intelectual de mãe

Crónica de 11 / 05 / 2017

Ainda não são 8.30 e já ouvi palavra mãe umas 100 vezes. Bom, não é sempre mãe.

Mamã!

Maaaamã!

MAMÃ!

Versões várias do chamamento para necessidades urgentes, claro. Mas também menos urgentes. E até algumas bastante não-urgentes, como o lençol para o urso não ter frio a dormir.

Consigo chegar à escola antes da hora da vergonha: aquela hora que já toda a gente chegou. Mas sabem que mais? Não consigo imprimir urgência à manhã.

Se eu não tenho de ir a lado nenhum, e eles tem a vida toda para estar atrasada para algum compromisso, não podemos só sair de casa sem gritos, pressas e stress? Podemos sim!

Volto a casa. Hoje o dia parece que vai ser calmo. Que bom, estou muito a precisar de tempo...

Mas tenho de fazer a cama de lavado.
E dobrar a roupa que está ali a ganhar pó.
Tenho uns emails para enviar.
E já não aspiro a casa há semanas...
Também não consigo deixar os brinquedos assim espalhados.
Aproveito que vou aspirar e limpo o pó.
E o jantar? tenho de descongelar alguma coisa pra o jantar.
E eu também tenho de almoçar.
Tenho de aproveitar que ela não está cá para separar os lixos.
Está quase na hora de a ir buscar.
Vou só arrumar a cozinha.
E faço só umas panquecas que ela adora.

Vou busca-la.

Mamã!

Maaaamã!

MAMÃ!

Já tinha saudades, confesso.

Vamos brincar!

Jardim.
Plasticina.
Piscina de bolas.

Mais! Mais! Mais!

Temos de ir para casa meu amor, a mamã tem de fazer o jantar e hoje tens de tomar banho.

Fazer jantar.
Dar banho.
Estas unhas precisam de ser cortadas.
Vestir pijama.
Cortar cabelo.
Jantar.
Arrumar a cozinha.

Mamã vamos pintar aguarelas!

Aguarelas.
A mamã vai só ligar a Tv um bocadinho e sentamo-nos boa?
Está quase na hora da caminha.
Vamos.
Juntas.
Sim, porque eu já não volto.

Sim, sou mulher além de mãe. Também sou pessoa, ser pensante, formada, e com aspirações. Mas o meu dia-a-dia? O meu dia é consumido em ser mãe. Mesmo que não me consuma as aspirações. Só não confundam o que faço com quem sou. Sou muito mais do que o que faço.

Mais Crónicas:

-->