Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Eu, mãe, confesso: quero que a minha filha seja uma pirosa cor-de-rosa do ballet!

Crónica de 26 / 09 / 2017

Caiam-me em cima! Caiam-me em cima as Capazes, as defensoras de autocarros só de mulheres e só de homens, e até aquelas pessoas que acham que só há igualdade quando um puto andar de cor-de-rosa e uma miúda deixar crescer a barba.

Caiam-me todos em cima porque, eu, mãe, confesso: quero que a minha filha faça ballet, com toda a piroseira cor-de-rosa a que tem direito, tutu cor-de-rosa bebé, maillot cor-de-rosa bebé, collants cor-de-rosa bebé, e ainda umas sapatilhas, com lacinho, cor-de-rosa bebé.

E perguntam-me vocês: mas é a tua filha que quer fazer ballet ou és tu que queres que ela faça? Sim, sou mesmo eu que quero que ela faça, para ainda maior deleite das entidades acima: não sei se ela quer, não me parece querer especialmente, mas eu quero.

E não, não tem nada a ver com as meninas serem cor-de-rosa e delicadas, e os meninos ágeis e andaram de azul.

A minha filha brinca com carros, não tem uma única boneca, não usa laços no cabelo e, infelizmente, não me deixa fazer tranças, só gosta de ténis, a cor preferida é o amarelo, não usa roupa excessivamente feminina acima de tudo porque, como quem passa a ferro sou eu, dá muito trabalho e, a dançar, mais rapidamente cerra o punho do que faz movimentos delicados.

O ballet, acredito eu, trar-lhe-á algo que me parece importante: o hábito de ouvir música clássica, a noção do que são movimentos delicados, a importância da disciplina e do esforço, mas também da criatividade e da musicalidade, e ainda uma postura correcta e elegante enquanto melhora o equilíbrio e a sua coordenação.

Se no futuro o quiser fazer de maillot rasgado e com tachas? Maravilha. Para já fará de cor-de-rosa. Pirosamente de cor-de-rosa. Porque não é a cor nem o desporto que definem o género. E a prova disso é que ela não é feminina porque faz ballet de maillot piroso cor-de-rosa. Ela é feminina porque sim. É feminina quando brinca com carros. Ou quando diz que o seu desporto preferido é apanhar vilões. O resto são apenas acessórios. Pirosos mas acessórios. E ela nunca será alguém com base nas roupas ou acessórios que veste. Mas sim com base no que a sua cabeça e alma vestirem.

Mais Crónicas:

-->