Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2017

Ajamigax (as amigas)

Crónica de 07 / 11 / 2017

Ajamigax são buéda fixes. Tão fixes que me salvaram a vida.

Antiga notivaga e solteira de longa data, eu era uma rapariga muito disponível e dada a programas de enriquecimento social.

Depois fui mãe.

E uma necessidade grande (um dia conto melhor) sobre a importância de ser uma mãe presente fez com que nunca tenha deixado a minha filha para ir curtir, sair, ou qualquer outra actividade lúdica de que já tinha o currículo cheio.

Mãe galinha. Mãe lamechas. Mãe obcecada. Mãe. Mãe. Mãe. Mãe! Sempre me estive bem a barimbar para a terminologia: eu era mãe e isso era o que eu queria ser. Os adjectivos dos outros eram mel para mim.

Quando me separei comecei uma vida nova, longe da casa de solteira que já havia largado há ano e meio. Longe dos amigos dos programas que eu aderia sempre alegremente.

Comecei uma vida longe da cidade, dos amigos, das rotinas. Mas junto de uma certeza: Qualquer vida nova não iria passar nunca por me afastar da minha filha, e não estar lá para ela naquela que também era uma vida nova para ela: uma vida a duas.

”Queres jantar?” “Só se for cá em casa ou as 19.”

”Queres ir passear?” “Só se for à tarde.”

”Temos de ir sair!” “Eu não vou.

Foi assim nos últimos dois anos. E foi assim que até muitos dos mais bem intencionados amigos desapareceram.

Ainda bem que há outro género de amigos: aqueles que não te largam nunca. Aqueles que conheces e fazes de novo e viram família. Aqueles que te ligam todos os dias, bons e maus para perguntar se não queres jantar as 19, que até trazem o jantar.

Foram as minhas (poucas) amigas, maioritariamente novas, outras antigas que me salvaram.

Não me salvaram por me darem colo ou ombro ou qualquer lamechice foleira. Ajamigax são muito mais que isso.

Ajamigax salvam-nos acima de tudo porque nos oferecem sempre uma gargalhada. A qualquer hora do dia. A qualquer refeição ou dia da semana.

E se for sábado as 9 da noite que queres dançar. Elas estarão em tua casa, com a tua filha, para dançar.

Façam tudo por amor ou paixão. Por um trabalho ou profissão. Nunca deixam as vossas amigas. Se não forem as de sempre, não desistam de procurar as que sejam para sempre.

Mais Crónicas:

-->