Crónicas das Maternidade

Thoughts, stories and ideas.

Autoria de Patrícia Costa
Todos os direitos reservados.
2018

A minha filha vai ter muitas razões de queixa.

Crónica de 13 / 02 / 2018

Quando crescer, a minha filha terá certamente muitas razões de queixa.

Queixar-se-á de eu ser impaciente.
E queixar-se-á de eu ser lamechas e beijoqueira.

Queixar-se-á da comida que lhe dou.
E queixar-se-á do meu tom de voz quando a chamo a razão.

Queixar-se-á das fotos que lhe tirei em criança.
E queixar-se-á das roupas com que a vestia.

Queixar-se-á de quando a pus de castigo.
E queixar-se-á de quando a fui buscar à porta do cinema aos 15 anos.

Queixar-se-á de não lhe ter dado um telefone.
E queixar-se-á de a querer beijar todos os dias de manhã e à noite.

Mas não se poderá queixar de algo: não se poderá queixar de eu não ter tentado. De eu não ter tentado sempre, ouvir a voz interior dela, e de querer ir ao encontro do que essa voz dizia.

Numa das semanas mais difíceis desde que emigrei, coincidiu eu ficar doente, o pai ir embora, uma amiga chegar de Portugal, ela ficar doente, eu estar cheia de trabalho, chega o Carnaval! e ela diz que se quer mascarar de robot.

E eis que no meio de toda esta azafama, eu decido que ela tem o direito de ir de robot. E que eu vou arranjar tempo e cabeça para faze um fato de robot. E que ainda vai ser divertido e tudo fazermos juntas, um fato de robot.

Tudo verdade. Pelo menos em teoria. Na prática, ela não gostou que eu cortasse e colasse se ela não o fazia então optou por destruir a casa enquanto eu fazia o fato de robot. E também não gostou do toque do fato no final porque a magoava.

E hoje, depois de a deixar na escola, estávamos as duas tristes, ela porque não tinha fato. E eu porque não lhe tinha conseguido dar um fato.

Enviaram-me a segunda foto da escola uma hora depois: para eu não me preocupar que estava feliz e mascarada de sol.

Ela queixar-se-á de muita coisa no futuro. Como de eu não saber fazer fatos de robot, por exemplo. Mas não se poderá queixar de eu não tentar. Tentarei sempre. Nem que seja para falhar sempre. E poder voltar a tentar de novo.

Mais Crónicas:

-->